Experimente o amor de Deus

DALE G. RENLUND
Quórum dos Doze Apóstolos
3 de dezembro de 2019 • Devocional
 

Direcionar nossos receptores disfuncionais ao amor de Deus restaura poder, estabilidade e direção em nossas vidas.

Irmãos e irmãs, eu gostaria de comparar nossa saúde física e espiritual em uma discussão sobre receptores. Nossa saúde física depende de hormônios e seus receptores. Hormônios, como hormônios da tireóide, insulina e muitos outros, são substâncias produzidas nas glândulas e depois transportadas na corrente sanguínea para células específicas, e eles estimulam essas células interagindo com receptores específicos. A doença pode ocorrer quando a glândula não produz hormônio suficiente ou o receptor é disfuncional. Vocês podem imaginar que os sinais e sintomas de uma doença podem ser semelhantes nos dois casos. Hormônios e outros tratamentos podem resolver ou atenuar a doença em muitas situações.

 

Existe um tipo de disfunção de receptor que tem consequência eterna: a incapacidade de sentir o amor de Deus e sentir o Seu Espírito. O amor de Deus é infinito e perfeito. Nunca houve nem haverá uma deficiência do amor de Deus. O apóstolo Paulo disse:

 

Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? . . .

 

Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem os poderes, nem o presente, nem o porvir,

 

Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus.1

 

Mas o que vocês fazem se não sentirem o amor do Pai Celestial e de Jesus Cristo? Sei com certeza que o problema não está no amor Deles. O problema está com seus receptores para o amor Deles. Se vocês têm uma disfunção de seus receptores do amor de Deus, vocês podem se perder e sucumbir a perigos como desesperança, desamparo e solidão.

 

Se vocês sentirem uma disfunção desses receptores, a influência de Deus em suas vidas será minimizada. Com completa disfunção, vocês não sentirão o amor ou a preocupação Dele por vocês. O profeta Mórmon descreveu essa condição em seu povo. Ele lamentou:

 

Porque eis que. . . estão sem Cristo e sem Deus no mundo. . . .

 

Eles já foram um povo agradável e tinham Cristo como seu pastor; sim, e eram guiados por Deus, o Pai.

 

Agora, porém, eis que são guiados por Satanás, como a palha pelo vento, ou como um barco que, sem velas nem âncoras ou nada que possa dirigi-lo; se torna joguete das ondas, e assim são eles, como o barco.2 

 

Sem o Pai Celestial e Jesus Cristo e Suas influências em nossas vidas, não temos pastor. Sem Eles, não há vela - o que significa que não há poder. Sem Eles, não há âncora - o que significa que não há estabilidade, especialmente em tempos de tempestade. Sem Eles, não há nada com o que dirigir - o que significa que não há direção. Falta de poder, estabilidade e direção são consequências de receptores disfuncionais para o Seu amor.

Um conto preventivo

 

Na minha experiência, a disfunção do receptor do amor de Deus acontece lenta e imperceptivelmente ao longo do tempo - não de uma só vez. Relatarei uma experiência embaraçosa que não contei para a minha esposa por anos. Aprendi por mim mesmo que era vulnerável. Por suspeitar que vocês também estejam em risco, compartilharei minha história de advertência. Ela destaca este aviso do Salvador:

 

Mas existe também a possibilidade de que um homem caia da graça e aparte-se do Deus vivo;

 

Portanto, que a igreja esteja atenta e ore sempre, para não cair em tentação;

 

Sim, até os santificados estejam também atentos.3

 

Depois que terminei a faculdade de medicina, minha esposa, minha filha e eu nos mudamos para Baltimore, Maryland, para a minha residência no Hospital John Hopkins. Naquela época, os anos de treinamento eram brutais, intensos e cansativos.

 

No final do meu primeiro ano, eu estava cansado. Como os residentes trabalhavam todos os dias e todas as segundas ou terceiras noites, eu trabalhava todo domingo e só podia frequentar a igreja metade do tempo. Nossa ala se reunia em um subúrbio de Baltimore às 14:30hr. Morávamos do outro lado da rua do hospital e tínhamos apenas um carro. Em alguns domingos, eu conseguia terminar meu trabalho e me juntar à minha esposa e filha quando elas saíam para as reuniões às 14:00hr. Outros domingos eu não conseguia.

 

Um domingo, eu poderia dizer que, se eu realmente me apressasse com meu trabalho, eu seria capaz de ir com minha esposa e filha para a igreja. Mas, então pensei: se diminuísse um pouco a velocidade e esperasse, só voltaria para casa depois que minha esposa e filha tivessem saído. Então eu poderia pular as reuniões e tirar uma soneca. Me mortifica dizer que fiz exatamente isso.

 

Voltei para casa às 14:15hr e deitei no sofá. Mas não consegui dormir. Fiquei profundamente perturbado. Eu sempre amei ir à igreja. Eu sempre senti um testemunho ardente da realidade viva de Cristo. Mas naquele dia a intensidade não estava lá.

 

Não foi tão difícil descobrir o porquê. Eu parei de fazer consistentemente alguns atos pessoais e privados de devoção. Minha rotina era acordar de manhã, fazer uma oração e ir trabalhar. Às vezes, não havia distinção entre o final do dia e o início do próximo. Eu trabalhava durante a noite e na manhã do dia seguinte, chegava em casa a tarde deste segundo dia, e adormecia sem orar e sem ler nada das escrituras. No dia seguinte, o ciclo recomeçava. Eu permiti que meus receptores do amor de Deus se tornassem opacos, de forma que as coisas do Espírito se tornaram menos urgentes e menos importantes.

 

Com essa percepção, saí do sofá, me ajoelhei no chão e implorei a Deus por perdão. Eu implorei por ajuda. A medida que fiz isso, um plano se formulou em minha mente e coração para mudar meu padrão de comportamento.

 

Comecei com lembretes simples para mim mesmo. Na minha lista de tarefas diárias, comecei a incluir as orações da manhã e da noite. Trouxe um livro de Mórmon para o meu cubículo no hospital e incluí a leitura das escrituras nessa lista de tarefas. Algumas noites, a leitura das escrituras era curta, apenas alguns versículos antes da meia-noite. Às vezes, minhas orações eram oferecidas em locais incomuns. Mas lia as escrituras diariamente. Eu orava diariamente. Meu plano incluía um compromisso que nunca perderia a oportunidade de participar do sacramento. Nunca.

 

Ao iniciar meu novo curso de ação, a intensidade voltou e meu testemunho voltou a brilhar. Estremeço ao pensar no que teria acontecido se eu não tivesse saído daquele sofá naquela tarde de domingo. Minha vida teria sido muito diferente. Em vez disso, o Pai Celestial e Jesus Cristo tornaram-se centrais em minha vida novamente. Meus receptores para o amor de Deus e minha afinidade para com o Espírito melhoraram.

 

Prescrição para Receptores Disfuncionais

 

A incapacidade de sentir o amor de Deus pode resultar do pecado ou de não permanecer firmes no caminho do Convênio. Ela também pode acontecer devido a doenças físicas ou mentais. Por exemplo, ansiedade clínica e depressão requerem ajuda profissional. Deus espera que procuremos ajuda profissional quando indicado. Lembre-se da pergunta retoricamente sarcástica do capitão Morôni a Pahoran: “Ou pensais que o Senhor continuará a livrar-nos, enquanto. . . não fazemos uso dos meios que o Senhor nos concedeu?”4 

As orações nessa situação podem parecer um tanto hipócritas, pois são manifestações de fé sem obras.5

 

1. Arrependimento

 

Na minha situação, com doença mental ausente, segui três partes de um plano  para meus receptores disfuncionais para o amor de Deus. A primeira é a que o Presidente Russell M. Nelson se refere como “maior pureza, obediência exata”.6 Isso significa arrependimento. Se você estiver fazendo algo que está causando disfunção no seu receptor, arrependa-se. O arrependimento é um processo alegre. Lembre-se de que Deus realmente não se importa com quem você era e o que você fez. Ele se importa com quem você é, o que está fazendo e em quem está se tornando. Como o Presidente Nelson disse, arrependimento não é punição:

 

O sentimento de ser penalizado é gerado por Satanás. Ele tenta impedir-nos de olhar para Jesus Cristo, que fica de braços abertos, esperando e disposto a nos curar, perdoar, limpar, fortalecer, purificar e santificar.7

 

Se você sente que fez algo irrecuperável ou irreparável ou que já foi longe demais no pecado, esse sentimento não vem do Espírito Santo. É gerado por pensamentos errôneos ou por Satanás.

 

2. Estudo das Escrituras

 

A segunda é a que o Presidente Nelson se refere como “busca sincera e banquete diário com as palavras de Cristo no Livro de Mórmon”.8 Banquete, sem mordiscar, com as palavras de Cristo, especialmente no Livro de Mórmon, tem o poder de mudar drasticamente os receptores do amor de Deus. O estudo das palavras de Cristo o colocará “em posição de começar a ter experiências com [Deus]”.9 Isso aconteceu comigo. Este conselho de Paulo a Timóteo se aplica a vocês:

 

E que desde a tua meninice sabes as sagradas escrituras, as quais podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus.

 

Toda escritura divinamente inspirada, é proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça.10

 

3. Participação do Sacramento

 

Terceira, assegurei-me de que nunca perderia a oportunidade de participar do sacramento para poder ter o Espírito Santo comigo. O Salvador disse aos nefitas a respeito da participação do sacramento: “E fazendo sempre estas coisas, abençoados sois, porque estais edificados sobre a minha rocha.” 11 Se não o fizer, disse Ele, então “não estão edificados sobre a minha rocha, mas edificados sobre um alicerce de areia; e quando as chuvas descerem e as inundações chegarem, e os ventos soprarem e baterem contra eles, cairão.”12 Lembre-se de que Ele disse quando chuva, vento e enchentes vierem, e não se. Eles vêm, e eles vêm para todos nós. Mas se participamos do sacramento de maneira consciente e digna, então as bênçãos virão e não cairemos.

 

Uma visão adicional sobre o sacramento vem das observações do Presidente Nelson no seminário de liderança de missão em junho de 2019. Após participar do sacramento, o Presidente Nelson disse:

 

Fiz um convênio ao participar do sacramento que estaria disposto a tomar sobre mim o nome de Jesus Cristo e. . . obedecer a Seus mandamentos. Frequentemente, ouço a expressão que tomamos do sacramento para renovar convênios feitos no batismo. Embora isso seja verdade, é muito mais do que isso. Eu fiz um novo convênio. Vocês fizeram novos convênios.13

 

Se abordarmos o sacramento com um coração quebrantado e um espírito contrito, da maneira como esperamos que um novo convertido se aproxime do batismo, Deus renova as bênçãos do batismo para nós, incluindo o efeito de limpeza.14

 

No seminário de liderança de missão, depois de falar sobre fazer novos convênios através da participação no sacramento, o Presidente Nelson continuou: “Agora, em troca disso, [Deus] faz a declaração de que sempre teremos Seu Espírito conosco. Que benção! ”15

 

Este é o plano de três partes para receptores disfuncionais do amor de Deus: arrependimento, estudo das escrituras e participação do sacramento para ter o Espírito Santo conosco. Se não resolvermos essa disfunção já no início, acabaremos como se “havíeis perdido a sensibilidade".16  E isso é espiritualmente fatal.

 

Dirigir nossos receptores disfuncionais ao amor de Deus restaura poder, estabilidade e direção em nossas vidas. O prognóstico, quando essa disfunção do receptor é tratada, é excelente.

 

Dê a si mesmo um presente de natal antecipado e saia do sofá, como fiz naquela tarde de domingo há muito tempo. Certifique-se de que seus receptores para o amor de Deus estejam totalmente funcionais. Então, ao continuar praticando atos pessoais e privados de devoção, você não voltará à disfunção do receptor. Sei que Jesus Cristo "tem todo o poder para salvar cada homem que crê em seu nome e apresenta frutos dignos do arrependimento".17 Sei que a mensagem de nosso Pai Celestial para nós é esta:

 

Se vos arrependerdes, e não endurecerdes o coração, então terei misericórdia de vós, por intermédio do meu Filho Unigênito;

 

Portanto, todo aquele que se arrepender e não endurecer o coração terá direito à misericórdia, por intermédio do meu Filho Unigênito, para a remissão de seus pecados; e esses entrarão no meu descanso.18

 

Esta é a minha oração por todos nós. Oro para que Deus cuide de vocês e os abençoe e os ajude durante todo o Natal e por toda a sua vida, em nome de Jesus Cristo. Amém.

NOTES:

1. Romans 8:35, 38–39.

2. Mormon 5:16–18.

3. D&C 20:32–34.

4. Alma 60:21.

5. See James 2:17–20.

6. Russell M. Nelson, “Revelation for the Church, Revelation for Our Lives,” Ensign, May 2018.

7. Russell M. Nelson, “We Can Do Better and Be Better,” Ensign, May 2019.

8. Nelson, “Revelation for the Church.”

9. Russell M. Nelson, “Come, Follow Me,” Ensign, May 2019.

10. 2 Timothy 3:15–16.

11. 3 Nephi 18:12.

12. 3 Nephi 18:13.

13. Russell M. Nelson, mission leadership seminar, June 2019; quoted in Dale G. Renlund, “Unwavering Commitment to Jesus Christ,” Ensign, November 2019.

14. “Church members are commanded to gather together often to partake of the sacrament to remember the Savior always and to renew the covenants and blessings of baptism” (Handbook 2: Administering the Church [Salt Lake City: The Church of Jesus Christ of Latter-day Saints, 2010], 2.1.2 [p. 9]; emphasis added); see also Dallin H. Oaks, “The Aaronic Priesthood and the Sacrament,” Ensign, November 1998.

15. Nelson, mission leadership seminar; quoted in Renlund, “Unwavering.”

16. 1 Nephi 17:45.

17. Alma 12:15.

18. Alma 12:33–34.

Spencer Kulchetschi
Spencer Kulchetschi