Deus é o Jardineiro

HUGH B. BROWN
da Primeira Presidência
31 de maio de 1968

 

Quaisquer que sejam os empreendimentos que exijam de você e de sua atenção, digo-lhes, rapazes e moças, hoje vocês não pode tomar uma resolução melhor do que esta: “Vou me manter próximo do Senhor. Vou entendê-lo melhor e, entendendo-o, vou me entender e tentarei colocar minha vida em harmonia com a dele.”

Presidente Wilkinson, membros do corpo docente, convidados de honra, membros do conselho, turma de formandos e o maravilhoso grupo de alunos da Brigham Young University, fico feliz que o Presidente Wilkinson tenha um pouco de humor no que ele tem a dizer, porque eu acho que o humor é uma parte muito essencial da vida rica e radiante.

 

Eu quero falar sobre humor por apenas um minuto. É relatado que J. Golden Kimball disse que o próprio Senhor deve gostar de uma piada, ou ele não teria criado alguns de vocês. Espero que nenhum de vocês leve isso para o lado pessoal.

 

Na verdade, é um empreendimento ousado, se não imprudente, para um octogenário se comprometer a falar com um grupo de jovens formandos vibrantes, sessenta anos mais novos. Mas, conhecendo seus quatro anos de treinamento, especialmente em paciência e perseverança em suas aulas, acho que vocês terão alguma simpatia comigo se eu tentar abordá-lo do outro lado da corrente da vida.

Gostaria de parabenizar a turma de formandos e todos os alunos desta grande universidade pelo fato de vocês terem se mantido bastante distantes das atividades que predominaram nos campus de muitas outras universidades, onde os estudantes tentaram assumir o controle, não apenas das atividades disciplinares no próprio campus, mas para complementar o governo civil, tanto no campus quanto na vida. É uma pena que esses jovens tenham pensado em tentar substituir o governo estabelecido. Não podemos concordar com suas tentativas de conseguir o que querem por meio da força.

 

Também parabenizo os membros do corpo discente e do corpo docente pelo que o Presidente Wilkinson se referiu: aceitar o chamado ao dever em nossa grande terra quando se trata de não se esquivar da responsabilidade incidente nesse chamado.

 

Há outra questão sobre a qual quero falar brevemente, mas sinceramente. Vocês, jovens, estão deixando sua universidade no momento em que nossa nação está envolvida em um processo abrasivo e cada vez mais estridente de eleger um presidente. Eu me pergunto se vocês me permitiriam - alguém que conseguiu sobreviver a vários desses eventos - passar algumas palavras para vocês.

 

Primeiro, gostaria que vocês estivessem certos de que os líderes dos dois principais partidos políticos deste país são homens de integridade e patriotismo inquestionável. Cuidado com os que se sentem obrigados a provar seu próprio patriotismo, questionando a lealdade dos outros. Sejam céticos em relação àqueles que tentam demonstrar seu amor pelo país, degradando suas instituições. Saibam que os homens dos dois principais partidos políticos que orientam os ramos executivo, legislativo e judicial do país são homens de lealdade inquestionável, e devemos apoiá-los e ajudá-los. E isso se refere não apenas a uma parte, mas a todas.

 

Esforcem-se para desenvolver uma maturidade mental e emocional e uma profundidade de espírito que permitam que você se diferencie dos outros em questões políticas, sem questionar a integridade daqueles com quem você difere. Permita, dentro dos limites da sua definição de ortodoxia religiosa, uma variação da crença política. Não tenha a temeridade de dogmatizar sobre assuntos em que o Senhor achou conveniente ficar em silêncio.

 

Descobri, através de uma longa experiência, que nosso sistema de duas partes é sólido. Cuidado com os que têm tanta falta de humildade que não podem entrar no quadro de um de nossos dois grandes partidos. Nossa nação evitou o caos como o que está dominando a França hoje, porque os homens foram capazes de moderar seus próprios desejos o suficiente para buscar um amplo acordo dentro de um dos dois principais partidos, em vez de formar grupos dissidentes em torno de uma idéia radical. Nosso sistema de duas partes nos serviu bem e não deve ser descartado levemente.

 

Numa época em que os radicais da direita ou da esquerda jogam raça contra raça, evite aqueles que pregam más doutrinas do racismo. Quando nosso Pai declarou que nós, Seus filhos, éramos irmãos e irmãs, Ele não limitou esse relacionamento com base na raça. Esforce-se para desenvolver o verdadeiro amor ao país que percebe que o verdadeiro patriotismo deve incluir nele uma consideração pelo povo, pelos habitantes do resto do mundo. Os patriotas nunca exigiram dos homens bons o ódio de outro país como prova do amor de alguém. Adquira tolerância e compaixão pelos outros e pela persuasão política ou raça ou religião diferente. Isso é algo exigido pelos pais celestiais que todos temos em comum.

 

Agora, gostaria de chamar sua atenção para um dos assuntos mais antigos conhecidos pelo homem - interesse atemporal, sempre atualizado e imperativo em seu apelo. É um assunto sobre o qual o Salvador passou muito tempo, com o qual os filósofos lutaram e sobre os quais os cientistas se aventuraram em grandes, instruídas e ponderadas opiniões. Desde o início dos tempos até este espaço e era atômica, esse tem sido um assunto vivo, imperativo em suas demandas. É um tópico de vital importância para todos nós desde o momento em que entramos neste mundo até o deixarmos e depois por toda a eternidade. O assunto que desejo discutir, breve mas reverentemente, é o relacionamento de Deus e do homem com Ele.


 

No décimo capítulo de Lucas, lemos:

 

Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento; e ao teu próximo como a ti mesmo. [Lucas 10:27]

 

Um homem pode amar a Deus com sua mente, ou a mente está limitada apenas àqueles processos frios de raciocínio? Vocês, rapazes e moças, já começaram a estudar e a se maravilhar com as maravilhas do seu universo. Suas mentes maduras e indagadoras fizeram você perguntar: "Quem estava no controle quando tudo isso foi posto em movimento?" Prefiro que você encontre uma resposta reverente e verdadeira para essa pergunta do que seja capaz de ler em grego e hebraico ou seja capaz de ler a história do planeta ou a história da natureza em pedra, terra e planta.

 

Em outras palavras, gostaria que vocês colocassem as coisas mais importantes em primeiro lugar, e iniciassem sua educação no centro do seu coração. À medida que essas convicções crescerem, vocês terão fome e sede de conhecimento, assim como uma planta tem sede de água. Vocês perceberão que, sem uma síntese subjacente ou algum significado e propósito compreensíveis, todo o conhecimento que é obtido nas melhores universidades seria incompleto e totalmente inadequado.

 

Peço que tomemos nota das verdades subjacentes relacionadas ao nosso universo, às nossas vidas e ao nosso propósito na vida, e depois a viver como se acreditássemos no que dizemos quando dizemos que cremos em Deus. Jesus disse que se você deseja ter a vida eterna, precisa conhecer a Deus. 

 

À medida que progressivamente o conhecermos, seremos solicitados a imitá-lo, e é isso que eu gostaria de deixar com esta turma de formandos e chamar a atenção de todos nós - que, à medida que progressivamente conhecemos a Deus, nós inegável e  constantemente, seremos lembrados da possibilidade de emulá-lo e, assim, nos tornarmos mais parecidos com ele.

 

Estive recentemente em Colorado Springs. Como convidado do comandante e orador dos cadetes, fui levado pelo comandante em uma excursão pelas instalações e pelo campus lá. Chegamos a um maravilhoso monumento encimado por uma águia com asas abertas. Na base deste monumento, li estas palavras: "O vôo do homem pela vida é sustentado pelo poder de seu conhecimento". E me perguntei: “Que conhecimento? Qual fase do conhecimento, qual ramo do aprendizado, mais definitivamente e inspiradamente cuidará do vôo do homem ao longo da vida? " Concluí que a vida do homem e seu vôo pela vida são sustentadas principalmente pelo conhecimento de Deus e do homem. Eu submeto a você que a fé em um Deus pessoal, alguém que pode ser chamado de "Pai", dá a alguém um senso de dignidade e mantém diante de si um ideal pelo qual lutar.

 

Ele é real, como você e eu somos reais. Quero imprimir isso na mente de vocês, jovens estudantes, quando saem para o mundo - que vocês tem Alguém maior que vocês morando com vocês e com quem vocês podem contar.

Na história da Criação, essas palavras estão registradas em Gênesis: “E criou Deus o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou, macho e fêmea os criou. ”(Gênesis 1:27).

 

Sem dúvida, foi esse pensamento de que o homem estava à imagem de Deus, em um estado divino, que levou o apóstolo João a dizer: “Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que havemos de ser, mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, pois o veremos como ele é. ”(1 João 3: 2).

 

Ao longo dos séculos, nenhuma experiência foi mais universal e útil no sentido de Alguém cuidar de nós, perto o suficiente para ser chamado e responsivo o suficiente para entender. Ele é real e pessoal e deve ser idealizado, mas também percebido. Não devemos apenas possuir a idéia de Deus, mas devemos ser possuídos por ela. Os homens não acreditam em Deus porque eles o provaram; ao contrário, tentam infinitamente prová-lo porque não podem deixar de acreditar nele. Ele estabeleceu isso no coração de Seus filhos.

 

Agora vocês são ex-alunos, não apenas de uma instituição relacionada à Igreja, mas de uma propriedade e administração da Igreja. Seja grato por esse fato, jovens. Ao considerar a história da educação na América, você pode se surpreender com o que a religião fez com as grandes universidades de nossa terra e do mundo. Agradeço ao reverendo Earl L. Riley, da Primeira Igreja Batista de Salt Lake City, por algumas informações estatísticas que gostaria de compartilhar com vocês:

 

Péricles fundou sua civilização na cultura comum, e falhou. César fundou sua civilização na lei, e ela falhou. Alexandre fundou sua civilização sobre o poder, e também falhou. Mas nossos antepassados ​​sabiam que qualquer outra base além da religião e da educação, as duas maiores forças do mundo, seria inadequada como base sobre a qual construir uma civilização. E se fosse construído sobre algo que não fosse a religião real e a boa educação, teríamos apenas uma estrutura artificial.

 

Vinte e três das primeiras vinte e quatro universidades construídas na América foram construídas por organizações religiosas. Das 119 instituições de ensino a leste do Mississippi, 103 delas foram construídas por organizações religiosas. Nos primeiros 150 anos na América, as igrejas forneceram todas as instituições de ensino superior. Dessas salas vieram líderes de pensamento e defensores da liberdade que tornaram possível nossa república.

 

Jefferson foi aluno de William e Mary e James Madison de Princeton. Alexander Hamilton era um ex-aluno do que é hoje a Universidade de Columbia. É interessante notar que todos, exceto oito dos cinquenta e cinco que assinaram a Declaração de Independência, e a maioria dos que escreveram a Constituição, respiraram a atmosfera de instituições de ensino apoiadas pela igreja.

 

Thomas Jefferson declarou que as pessoas não podem ser ignorantes e livres. A fundação da Universidade da Virgínia foi a principal conquista de sua vida.

Benjamin Franklin se alegrou por ter sido o fundador da Universidade da Pensilvânia. George Washington deixou um legado de US $ 50.000 e a Universidade de Washington e Lee foi quem recebeu esse legado.

 

Os primeiros líderes de igreja e estado na América foram o produto de escolas iniciadas pelo cristianismo ortodoxo. Dezesseis dos dezoito primeiros presidentes eram graduados em instituições de ensino superior relacionadas à igreja. Sete dos primeiros juízes-chefes da Suprema Corte eram graduados em escolas relacionadas à igreja.

Esse é o fim da citação, e eu concordo com suas implicações.

 

Agora vocês foram ensinados, jovens, a acreditar que Deus e o homem pertencem a uma sociedade de inteligências eternas. A diferença é, obviamente, indescritivelmente grande, mas é de grau e não de espécie. A idéia de um ser supremo está indelevelmente estampada na consciência interior dos homens. Embora o homem seja, até certo ponto, mestre de seu destino, ele está consciente de sua relação com a fonte suprema de sua existência.

 

O Dr. James E. Talmage resume a discussão da criação e do universo da seguinte forma:

 

O que é o homem nesse cenário ilimitado de sublime esplendor? Eu lhe respondo: Potencialmente agora, na verdade, ele é maior e mais grandioso, mais precioso de acordo com a aritmética de Deus, do que todos os planetas e sóis do espaço. Para ele foram criados.

 

Estou lendo isso porque gostaria que você sentisse a dignidade do homem e a dignificasse por sua conduta ao avançar como cidadãos responsáveis ​​de nosso país e representantes desta grande universidade.

 

Neste mundo, o homem recebe domínio sobre algumas coisas; é seu privilégio alcançar a supremacia sobre muitas coisas.

 

”Os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos. ”(Salmo 19: 1). Incompreensivelmente grandes, como são as criações físicas da terra e do espaço, elas foram trazidas à existência como um meio necessário para a realização do propósito supremo, que nas palavras do Criador é assim declarado:

“Pois eis que esta é minha obra e minha glória: Levar a efeito a imortalidade e vida eterna do homem.” (Moisés 1:39). [James E. Talmage, discurso proferido no Tabernáculo, 9 de agosto de 1931; "A Terra e o Homem", Millennial Star 93, no. 53 (31 de dezembro de 1931): 862-63; também A Terra e o Homem (Salt Lake City: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, 1931), 16]

Alguns teólogos nos dizem que Deus é incompreensível, porém o Senhor diz que conhecê-Lo é vida eterna. Uma perspectiva  tira a esperança da vida e já a outra é um farol eterno.

Às vezes, os jovens dizem que nós, os mais velhos, estamos atrasados e provavelmente estão certos. Certamente estão. Mas durante o tempo em que vivi - e trago isso para vocês como testemunho - desenvolvi uma fé em um Deus vivo e pessoal, na qual considero a posse mais inestimável. Tem sido meu privilégio glorioso, cada vez mais, conhecê-Lo. Essa fé dá ordem, significado, estímulo e direção à vida. Não podemos conhecê-Lo apenas pelo intelecto,  pelos sentidos físicos, nem somente pela leitura das escrituras, mas pela inspiração - a iluminação da alma, como foi experimentada por Pedro quando ele respondeu à pergunta de Cristo: “Quem dizeis vós que eu sou?" Ele disse, sem hesitação, embora fosse uma surpresa para ele o que ele disse: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo".

E Cristo o respondeu: “ porque to não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus.” (Mateus 16: 15–17).

Se vocês sempre lembrarem de que são realmente filhos e filhas de seu Pai Celestial, que existe algo Dele em vocês e que  podem aspirar a se tornar algo como aquilo de onde vieram e cooperar com Ele no trabalho inacabado de criação, vocês se lembrarão de que Seu plano para a salvação de Seus filhos tinha um propósito por trás disso - um projeto a ser realizado. Se vocês mantiverem essas grandes verdades em mente, serão fortalecidos e sustentados, seja o que for que a vida lhe prepare.

É importante não apenas continuar crescendo, mas ser versátil, adaptável e sem medo de se aventurar. Em outras palavras, estejam atualizados. Procure obter uma certa flexibilidade mental que o inspirarão a ouvir, aprender e se adaptar à medida que avança em um universo novo e sempre em expansão.

Da covardia que se retrai da nova verdade,

Da preguiça que se contenta com meias-verdades,

Da arrogância que pensa que sabe toda a verdade,

O Deus da verdade, livrai-nos.

 

[Oração antiga]

No processo de autodescoberta, às vezes vocês ficarão surpresos  com a consciência do que aos poucos se tornarão, tendo a ver com o seu alcance potencial e suas habilidades. Vocês não serão desencorajados por uma falha ou duas ao longo do caminho, enquanto estiverem aprendendo e crescendo. Deixo com vocês meu humilde testemunho em relação a essas coisas.

Agora, alguns de vocês, à medida que avançam, enfrentarão decepções - talvez muitas decepções, algumas cruciais. outras vezes se perguntarão se Deus se esqueceu de vocês. Poderão até se perguntar se Ele vive e para onde Ele foi. Mas nestes momentos em que muitos estão dizendo que Deus está morto e  negando a Sua existência, acho que não poderia deixar com vocês uma mensagem melhor do que está:

Deus está ciente de vocês individualmente. Ele sabe quem vocês são e o que são,  além disso, Ele sabe no que são capazes de se tornarem. Não desanimem, então, se vocês não conseguirem todas as coisas que desejam exatamente quando as desejarem. Tenham a coragem de seguir em frente e encarar suas vidas e, se necessário, revertê-la para harmonizá-la com Sua lei.

Eu poderia lhe contar apenas uma história rápida da minha própria experiência na vida? Sessenta e tantos anos atrás, eu estava em uma fazenda no Canadá. Eu tinha comprado a fazenda de outro que foi um pouco descuidado em mantê-la. Saí uma manhã e encontrei um arbusto de groselha com pelo menos seis pés de altura. Eu sabia que tudo estava indo para a madeira. Não havia sinal de flor ou de fruta. Eu tinha alguma experiência em podar árvores antes de deixarmos Salt Lake para ir para o Canadá, pois meu pai tinha uma fazenda de frutas. Então, peguei minhas tesouras de poda e fui trabalhar naquele arbusto de groselha, prendi, cortei e cortei até não sobrar nada além de um pequeno grupo de galhos.

E, olhando para eles, cedi a um impulso, que muitas vezes tenho, de conversar com coisas inanimadas e fazê-las falarem comigo. É um hábito ridículo. É um que não posso superar. Enquanto eu olhava para esses pequeno grupo de galhos, parecia haver uma lágrima em cada um deles e eu disse: "Qual é o problema, pé de groselha? Por que você está chorando?

E pensei ter ouvido aquele groselha falar. Parecia dizer: “Como pôde fazer isso comigo? Eu estava tão grande e bonita. Eu era quase tão grande quanto a árvore frutífera e uma de sombra, e agora você me reduziu a isto. Todas as plantas no jardim olharão para mim com desprezo e piedade. Como você pôde fazer isso? Pensei que você fosse o jardineiro aqui.

Eu pensei ter ouvido isso do arbusto de groselha. Eu pensei tanto que respondi.

Eu disse: “Olha, pequeno pé de groselha, eu  sou o jardineiro aqui e sei o que quero de você. Se eu deixar você seguir o caminho que deseja, você nunca chegará a nada. Mas um dia, quando você estiver cheio de frutas, você vai dizer: "Obrigado, Senhor jardineiro, por me cortar, por me amar o suficiente para podar me".

Dez anos se passaram e eu me encontrei na Europa. Alcancei alguns progressos na Primeira Guerra Mundial no exército canadense. Na verdade, eu era oficial de campo e havia apenas um homem entre mim e o posto de general que eu apreciava em meu coração há anos.

Então ele se tornou um desastre. E no dia seguinte, recebi um telegrama de Londres do general Turner, que estava encarregado de todos os oficiais canadenses. O telegrama dizia: "Esteja no meu escritório amanhã de manhã às dez horas".

Eu me gabei. Liguei para meu servo especial. (Nós os chamamos de “batmen” por lá.) Eu disse: “Engraxe minhas botas e meus botões. Faça-me parecer um general, porque amanhã vou ser nomeado.

Ele fez o melhor que pôde com as ferramentas que tinha, e eu fui para Londres. Entrei no escritório do general. Eu o saudei com inteligência, e ele respondeu à minha saudação como os oficiais mais altos costumam fazer para os juniores - uma espécie de "Saia do caminho, verme". Então ele disse: "Sente-se, Brown".

Eu estava desanimado. Sentei. E ele disse: “Brown, você tem direito a esta promoção, mas eu não posso fazer isso. Você se qualificou e foi aprovado nos regulamentos, teve a experiência e está autorizado em todos os aspectos, mas não posso te aprovar a esse cargo. ”

Nesse momento, ele entrou na outra sala para atender um telefonema, e eu fiz o que quase todos os oficiais e homens do exército fariam nessas circunstâncias: olhei em sua mesa para ver o que minha ficha pessoal mostrava. E vi escrito no final da folha de história em grandes letras maiúsculas: "ESTE HOMEM É UM MÓRMON"

Naquela época, éramos odiados com entusiasmo na Grã-Bretanha, e eu sabia porque ele não podia me autorizar a esse cargo. Finalmente, ele voltou e disse: "Isso é tudo, Brown".

Eu o saudei, com menos entusiasmo do que antes, e saí. No meu caminho de volta para Shorncliffe, a 120 quilômetros de distância, pensei que cada giro das rodas que batiam nos trilhos dizia: "Você é um fracasso. Você deve ir para casa e ser chamado de covarde por aqueles que não entendem.

E a amargura aumentou em meu coração até que eu cheguei, finalmente, em minha barraca, e joguei vigorosamente meu cap na cama, junto com meu cinto Sam Browne. Fechei meus punhos, sacudi-os para céu e disse: “Deus, como você pudeste fazer isso comigo? Fiz tudo ao meu alcance para manter os padrões da Igreja. Eu estava tendo um crescimento maravilhoso, e agora  me reduziu a isso. Como pudeste fazer isso comigo?

E então eu ouvi uma voz. Soou como minha própria voz, e ela dizia: “Eu sou o jardineiro aqui. Eu sei o que eu quero que você faça.  Se eu deixar você seguir o caminho que deseja, você nunca chegará a nada. E um dia, quando estiver amadurecido na vida, você gritará de volta ao longo do tempo e dirá: "Obrigado, Senhor jardineiro, por me cortar, por me amar o suficiente para podar me".

Essas palavras - que reconheço agora como minhas para o pé de groselha e que se tornaram a palavra de Deus para mim - me deixaram de joelhos, onde orei por perdão por minha arrogância e minha ambição.

Enquanto eu orava lá, ouvi alguns meninos mórmons em uma tenda ao lado, cantando o número final para uma sessão “M.I.A”, que eu geralmente participava com eles. E eu reconheci estas palavras, que todos vocês memorizaram:

 

Talvez não seja em alto mar 

Que Cristo me vá mandar;

Talvez não haja conflitos lá

Nem honras eu vá encontrar;

Mas, quando o Cristo me chamar

A sendas que não trilhei,

Eu proclamarei com amor, ó Senhor:

“Aonde mandares irei.”

. . .

Confio em ti, sem vacilar

E sempre te amarei,

A tua vontade farei, ó Senhor;

Tal como mandares serei.

[“It May Not Be on the Mountain Height,” Hymns,1948, no. 75]

[ Aonde Mandares Irei, “Hinos, …, n° 167] 

dupliquei pois não sabia se deixava a referência em inglês ou português.

Meus jovens amigos, irmãos e irmãs, vocês se lembrarão dessa pequena experiência que mudou toda a minha vida? Se o Jardineiro não tivesse assumido o controle e feito o que era melhor para mim, ou se eu tivesse seguido o caminho que queria seguir, teria retornado ao Canadá como um comandante sênior do oeste do Canadá. Eu teria criado minha família em um quartel. Minhas seis filhas teriam poucas chances de se casarem na Igreja. Eu provavelmente teria caído cada vez mais. Não sei o que poderia ter acontecido, mas isso eu sei, e digo isto a você e a Ele em sua presença, olhando para trás há sessenta anos: "Obrigado, Senhor. jardineiro, por me podar".

Agora deixo com você meu testemunho e recebi esse testemunho da mesma fonte que Jesus disse que inspirou Pedro quando disse: "Tu és o Cristo".

Quaisquer que sejam os empreendimentos que exijam de você e de sua atenção, digo-lhes, rapazes e moças, hoje vocês não podem tomar uma conclusão melhor do que esta: “Vou me manter próximo do Senhor. Vou entendê-lo melhor e, entendendo-o, vou me entender e tentarei colocar minha vida em harmonia com a dele. ” Pois eu vim a saber que todo homem e toda mulher tem uma divindade em potencial habitando nele, pois Deus é, na realidade, o Pai de todos nós.”

Deixo minha bênção: Deus abençoe esses jovens. Eles estão ansiosos com alegria e alegria pelas experiências da vida. Oh, Pai, esteja com eles e os sustenha, sustente-os, aprofunde seus testemunhos, mantenha-os fiéis à fé e a si mesmos. Pai, abençoe-os para que eles sigam as melhores tradições de nosso país e se orgulhem do fato de terem se formado em uma escola de propriedade e administração da Igreja, onde foram ensinados essas preciosas verdades a respeito do propósito de suas vidas e seu relacionamento com a Deidade, eu oro em nome de Jesus Cristo. Amém.

Samuel Miranda
Jheniffer Muniz

This peech has been translated by
Samuel  Miranda & Jheniffer Muniz