Vísta-se Com a Armadura Completa de Deus

LAVELL EDWARDS

Treinador de Futebol Aposentado, 10 de Abril de 2010

Como membros da Igreja, devemos buscar a verdade em todas as áreas, sejam elas espirituais, educacionais, científicas, ou em um cenário social e moral da sociedade.

Tenho o prazer de estar com vocês hoje. Este é um momento de grande humildade. Posso garantir-lhes que tenho pensado e orado muito por esta designação, para poder dizer algumas palavras que sejam benéficas a vocês nesta manhã.

Tem sido um prazer e uma honra estar nesta grande universidade pelos últimos 40 anos. Minha interação com os alunos tem sido principalmente como treinador. No entanto, passei sete anos e meio como bispo e sumo conselheiro em uma ala e estaca de estudantes, que considero as designações mais agradáveis e gratificantes da Igreja em minha vida.

Em Doutrina e Convênios se lê:

Portanto, alegrai-vos e rejubilai-vos e cingi os lombos e tomai sobre vós toda a minha armadura, para que possais resistir no dia mau, havendo feito tudo, a fim de subsistirdes.

 

Estai, pois, firmes, tendo cingidos os lombos com a verdade, tendo vestida a couraça da retidão e calçados os pés com a preparação do evangelho da paz, o qual, para vos confiar, enviei meus anjos;

 

Tomando o escudo da fé com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados dos iníquos;

 

E tomai o capacete da salvação e a espada de meu Espírito, que derramarei sobre vós, e minha palavra, que vos revelo; e concordai acerca de todas as coisas que me pedirdes; e sede fiéis até que eu venha e sereis arrebatados, para que onde eu estiver estejais vós também. Amém. [D&C 27:15–18]

Todos nós já vimos fotos de Morôni vestindo sua armadura, incluindo o peitoral e o capacete. É como um jogador de futebol vestido com uniforme completo com todas as almofadas, sapatos e capacete necessários. Ambos estão vestidos para proteção contra seus adversários. O jogador de futebol deve suportar os bloqueios, ataques e outros golpes que ele sofrerá enquanto estiver treinando ou jogando uma partida. O Senhor nos ofereceu uma armadura protetora para usarmos em nossas batalhas, e é isso que eu gostaria de discutir hoje.

Como afirma a escritura, devemos ter nossos "lombos cingidos com a verdade". Como membros da Igreja, devemos buscar a verdade em todas as áreas, sejam elas espirituais, educacionais, científicas ou em um cenário social e moral da sociedade. Se não buscarmos a verdade, não a encontraremos ou reconheceremos. Provavelmente a busca mais profunda pela verdade foi a busca de Joseph Smith pela igreja verdadeira. Apenas pense onde estaríamos hoje se ele não tivesse tido aquela fome de verdade.

Para reconhecermos a verdade, sermos sinceros e honestos com os outros, primeiro precisamos ser honestos e sinceros com nós mesmos. Auto-engano é mortal. Enganar a nós mesmos nos deixa abertos aos caminhos de Satanás - como culpar os outros por nossas más escolhas, justificar uma pequena mentira, e trapacear em uma prova. No entanto, sermos honestos conosco mesmos nos permite aprendermos quem somos e o que somos. Ajuda nossas mentes e corações a se abrirem para mais verdade e inspiração. Em uma mensagem da Primeira Presidência, Spencer W. Kimball disse: “Se os homens são realmente humildes, perceberão que descobrem, mas não criam, a verdade” (“Verdade Absoluta”, A Liahona, setembro de 1978, p. 34; ênfase no original) .

Todos conhecemos os dois planos de salvação apresentados a Deus por Seus filhos Lúcifer e Jeová. Uma grande batalha começou entre seus seguidores, e mesmo que Lúcifer tenha sido expulso, a guerra entre as forças do bem e do mal continuou até hoje. As tentações dessas forças do mal são maiores hoje do que nunca, mas a verdade pode nos libertar dos enganos de Satanás.

A escritura continua com “tendo a couraça da retidão”. Ser reto significa ser íntegro, moral e virtuoso. É algo pelo qual temos que trabalhar todos os dias. Temos que continuar progredindo ou vamos regredir. Temos que continuar estudando, orando e tentando viver os ensinamentos e mandamentos do Senhor para ganhar e manter uma vida de retidão. Eu acredito que a retidão também inclui o serviço ao próximo. Uma pessoa reta está ciente das necessidades dos outros e age sobre essa consciência através do serviço.

Estamos em uma era de .com (pontocom), computadores e Internet. É fácil se envolver em todas essas maravilhosas invenções e deixá-las controlar nossas vidas, esquecendo o mundo e a humanidade ao nosso redor. Nossa interação humana e ter compaixão e preocupação um pelo outro são muito mais importantes que a tecnologia, na tentativa de viver uma vida cristã.

Um amigo compartilhou comigo essa crença profunda que diz bem:

Lembre-se de ser gentil consigo mesmo e com os outros. Somos todos filhos do acaso, e ninguém pode dizer porque alguns campos florescem enquanto outros permanecem marrons sob o sol de agosto.

Cuide das pessoas ao seu redor. Olhe além das suas diferenças. Os sonhos deles não são menores que os seus, as escolhas nas vidas deles não são mais fáceis de serem feitas.

E dê. Dê da maneira que puder, do que você possuir. Dar é amar. Reter é murchar. Preocupe-se menos com a colheita do que com a forma como é compartilhada, e sua vida terá significado e seu coração terá paz. [Kent Nerburn, Cartas a meu filho: reflexões sobre como se tornar um homem (San Rafael, Califórnia: New World Library, 1993), 211–12]

Essa é uma filosofia lindamente declarada e que acredito que devamos incorporar em nossas vidas à medida que continuamos nossa busca pela retidão.

A próxima frase da escritura é “calçados os pés com a preparação do evangelho da paz”. A preparação traz paz, pois nos liberta para perseguir nossos objetivos. Nesta era de violência em todos os meios, a paz é um sentimento precioso e que queremos manter conosco o máximo possível.

Para mim, a preparação é a chave do sucesso em qualquer empreendimento. Eu sempre ouvi a frase "Ele [ou ela] tem uma grande vontade de vencer". O que deveria ser dito é: "Ele [ou ela] tem uma grande vontade de se preparar". Os maiores atletas nem sempre são os mais rápidos, mais fortes ou mais talentosos do ponto de vista atlético. Os maiores atletas são aqueles que têm a capacidade de reconhecer seu potencial e se preparar para alcançá-lo.

Em uma tarde de sábado com estádio cheio, a emoção da banda, das líderes de torcida e da torcida, um jogador pode ter todo o desejo ou vontade de vencer do mundo, mas isso será inútil se ele não estiver preparado. O mesmo é uma verdade em nossas vidas pessoais. Podemos ter o desejo de fazer algo bem, até obter um forte testemunho do evangelho, mas será inútil se não estivermos dispostos a trabalhar, estudar e preparar. Todos nós temos o potencial de alcançar com êxito nossos objetivos na vida, mas a maioria dos objetivos não será alcançada sem esforço de nossa parte.

O próximo item de proteção na armadura de Deus é "Tomando o escudo da fé". No Livro de Mórmon, os guerreiros usavam escudos para protegê-los das espadas, lanças, flechas e outras armas de seus inimigos. No futebol, o quarterback (posição do futebol americano) tem uma linha ofensiva que forma um bolsão à sua frente para protegê-lo dos adversários. A fé é nosso escudo, nosso bolsão de proteção. É o nosso escudo contra as muitas armas com que Satanás nos bombardeia todos os dias, como desespero, indecisão, procrastinação, depressão e raiva. A fé nos eleva, nos dá esperança e possibilita superar desafios aparentemente intransponíveis.

A vida pode ser desencorajadora e nem sempre é justa. Mas com fé e uma perspectiva eterna, podemos superar os tempos difíceis. Tendemos a pensar que somos os únicos com problemas; na realidade, todo mundo tem problemas, até o Presidente Hinckley. Ele disse: "Minha vida tem sido rica pois foi preenchida com problemas a serem resolvidos e parcerias a serem provadas" (Gordon B. Hinckley, Defendendo Algo [Nova York: Times Books, 2000], xi).

 

Sean Covey é filho de Stephen R. Covey, dos famosos “sete hábitos”, e cresceu em nossa ala. Ele e os outros membros de sua família tinham aqueles sete hábitos estampados na testa desde o dia em que nasceram. E eles sabiam como ter sucesso. Eles são uma família maravilhosa. Sean era um grande jogador de futebol do ensino médio e levou seu time ao campeonato estadual. Ele foi altamente recrutado. Tudo se resumia a nós e a Stanford. Sean optou por vir para a BYU porque queria nos levar a outro campeonato nacional.

No primeiro ano, ele se saiu bem com o time júnior do colégio e depois saiu em missão. Quando voltou para casa, estava empolgado e ansioso para retomar sua carreira no futebol. Ele trabalhou duro, preparou-se física e mentalmente e, no meio do segundo ano, tornou-se nosso quarterback inicial. Depois de vencer todos, exceto um dos últimos jogos que disputamos naquela temporada, tudo parecia estar no caminho certo para ele.

No ano seguinte, em seu primeiro ano, ele foi nomeado o quarterback inicial, mas sofreu uma concussão contra o Wyoming no primeiro jogo. Ele voltou no próximo jogo e vencemos um time ranqueado nacionalmente do Texas. Mas então ele teve problemas no ombro e no joelho ao longo do ano. A equipe sofreu um pouco e ele teve que fazer uma cirurgia após a temporada, o que o impediu de participar dos treinos da primavera.

Na época, tínhamos um jovem novato quarterback chamado Ty Detmer, que tivera uma primavera marcante. Tornou-se evidente que ele poderia ser o melhor entre os dois, mas como Sean era o titular no ano anterior, queríamos dar a ele uma boa chance de lutar pela posição inicial quando eles retornassem no outono. Após o acampamento de outono, ficou evidente que Ty era o melhor quarterback entre os dois.

Antes de qualquer anúncio, trouxe Sean para o escritório e expliquei nossa decisão a ele. Ele não falou por alguns minutos, mas finalmente disse: "Treinador, não acho que isso seja justo. Eu trabalhei duro, me preparei bem e fiz tudo que deveria fazer para voltar como quarterback inicial. Esse será um time muito melhor do que os outros em que já joguei. "

Eu tive que concordar com Sean.

Depois de um momento, ele continuou: "Treinador, isso não é justo, mas eu quero que você saiba que estarei em todos os treinos. Estarei em todas as reuniões e me prepararei todas as semanas como se eu fosse o quarterback titular. Estarei pronto sempre que precisar de mim. ”

Ele fez exatamente isso. Infelizmente para Sean, Ty acabou tendo um ótimo ano - o maior de todos os quarterbacks da história da NCAA. Sean raramente entraria em jogo novamente.

A vida, nesse caso, não era justa com Sean, mas ele optou por fazer o seu melhor e contribuir para o sucesso da equipe da maneira que pudesse. Ele era e é um jovem de fé, de retidão e de oração, com uma perspectiva eterna da vida. Esses atributos o ajudam a fazer as escolhas certas e a usar as dificuldades que ele encontra como trampolins para o progresso.

A escritura continua: “E tomai o capacete da salvação .” Você pode imaginar como seria jogar uma partida de futebol americano sem um capacete? É o mesmo que tentar viver neste mundo de turbulência sem o plano de salvação. Nosso entendimento deste plano dá sentido a nossas vidas, um conhecimento do por que estamos aqui e a esperança de onde podemos estar na próxima vida. A promessa de exaltação e famílias eternas nos dá um objetivo constante pelo qual lutar - protegendo-nos e ajudando-nos a evitar grande parte do mal que existe no mundo.

Pensem no incrível sacrifício que o Senhor fez por cada um de nós para que possamos ter salvação da transgressão de Adão e de nossos próprios pecados. Pensem no intenso sofrimento que Ele suportou no Jardim do Getsêmani e na cruz para cumprir Sua missão nesta terra. Pensem no amor avassalador que Ele deve ter por nós para ter completado a parte terrena de Seu ministério dessa maneira. Este é o maior presente que foi dado, e devemos usá-lo diariamente para nos arrepender, fazer escolhas sábias, para sempre termos essa perspectiva eterna e trabalharmos em direção à exaltação.

 

A última parte do equipamento de proteção mencionado nas escrituras é “a espada do meu Espírito”. A parte mais poderosa de nossa armadura protetora, a arma mais poderosa que temos contra o mal, é o Espírito do Senhor. Ele nos prometeu que teremos o Seu Espírito conosco, se estivermos tentando fazer o que Ele pediu. Com o Espírito, sabemos melhor como usar o restante de nossa armadura para aproveitar todas as vantagens. Ao fazermos isso, podemos sentir o Espírito ainda mais forte e exercer seu poder diariamente. O Élder Loren C. Dunn falou sobre isso:

 

Guardamos os mandamentos e os ensinamentos do evangelho para nos preparar  espiritualmente. Não se trata de quantas leis nós obedecemos ou não. Guardamos os mandamentos porque são as leis que governam o Espírito. O Espírito, por sua vez, nos santificará, nos condicionará espiritualmente e, eventualmente, nos preparará para viver no reino onde Deus está. [“O Espírito Dá Vida”, A Liahona, maio de 1979, p. 70–71]

 

Em Efésios 6:18, a armadura inclui "orar sempre". Nas guerras descritas no Livro de Mórmon, demorou muito tempo para os soldados em campo se comunicarem com seus líderes no quartel-general quando estavam em apuros, precisavam de suprimentos ou orientação, ou até queriam contar sobre triunfos e vitórias. Nós, por outro lado, podemos ter comunicação constante e instantânea com nosso líder, o Senhor, através da oração. A oração é a arma estabilizadora que temos contra Satanás. Quanto mais constantes são nossas orações, menos oportunidades há para ele encontrar uma rachadura em nossa armadura.

 

A oração é uma comunicação individual, de alma para alma, com o Pai Celestial, um momento em que podemos pedir ajuda em nossas pequenas e grandes batalhas. É também um momento de agradecer a Ele por Sua ajuda, à medida que passamos com segurança a cada luta, pois Ele nos ajuda a manter nossas armaduras intactas e nos abençoa enquanto tentamos progredir. Uma coisa que tive que aprender da maneira mais difícil foi que a oração não deveria ser o último recurso. Frequentemente, dependemos apenas de nossas próprias habilidades ou da ajuda de outras pessoas quando a oração deveria fazer parte de toda solução. Talvez quando precisarmos Dele, Ele não reconhecerá nossa voz, como neste poema anônimo conhecido como "Oração respondida", "Oração do vaqueiro", "História do vaqueiro" ou "Poesia do vaqueiro de Wyoming" (Wyoming, estado americano): 

 

Jake, o fazendeiro, um dia  foi consertar uma cerca distante.

 

O vento estava frio e forte e as nuvens rolavam cinzas e densas.

 

Quando ele bateu os últimos pregos e reuniu as ferramentas para partir,

 

A temperatura havia caído e a neve começou a cair.

 

Quando ele finalmente alcançou seu caminhão, sentiu pesar em seu coração.

 

Pelo som da ignição, ele sabia que o carro não ligaria.

 

Então Jake fez o que a maioria de nós faria se estivéssemos lá.

 

Ele humildemente abaixou a cabeça e fez uma oração aos céus.

 

Quando girou a chave pela última vez, ele praguejou levemente sua sorte.

 

Encontraram-no três dias depois, congelado no caminhão velho.

 

Agora, Jake já tinha experiência na vida e fez sua parte na travessia,

 

Mas quando ele viu o céu, ficou chocado - parecia com o Wyoming!

 

Ah, havia algumas diferenças, é claro, mas apenas algumas pequenas coisas.

 

Um lugar que tinha simplesmente desaparecido - a cidade que eles chamavam de Rock Springs.

 

O BLM (Bureau of Land Management - governo americano) foi encerrado e não havia taxas de pagamento,

 

E o vento em Rawlins e Cheyenne (cidades do estado de Wyoming) era agora uma brisa suave.

 

O pessoal do Park and Forest Service ( serviço florestal e parques) - eles não se saíram tão bem.

 

Todos foram enviados para combater um incêndio em um deserto chamado Inferno.

 

Embora o céu fosse um lugar realmente agradável, Jake estava pensativo,

 

Então ele se preparou e acendeu uma casca, sem saber o que encontraria.

 

Então, um dia em Cody (cidade de Wyoming), em uma tarde fria de outono,

 

Ele viu São Pedro chegando e sabia que logo estaria lá.

 

De todos os santos no céu, seu favorito era São Pedro.

 

Agora, essa linha não é necessária, mas ajuda com a rima e o ritmo poético. 

 

Então eles começaram a conversar um minuto ou dois, ou talvez três.

 

Ninguém estava contando - no céu, o tempo é livre.

 

"Eu sempre ouvi", Jake disse a Pedro, "que Deus responderá às orações,

 

Mas a única vez que eu pedi ajuda, bem, Ele simplesmente não estava lá.

 

“Deus responde às orações de alguns e ignora as orações de outros?

 

Isso não parece exatamente correto - eu sei que todos os homens são irmãos.

 

“Ou ele responde aleatoriamente, sem boa rima ou razão?

 

Talvez seja a hora do dia, o clima ou a estação.

 

"Agora não estou tentando bancar o esperto; é exatamente como me sinto,

 

E eu estava pensando, você poderia dizer, que diabos é esse negócio?"

 

Pedro ouviu com muita paciência e, quando o velho Jake terminou,

 

Havia um sorriso de reconhecimento, e ele disse: "Então, você é o cara!

 

"Naquele dia, seu caminhão não iria ligar e você enviou sua oração,

 

Você nos deu bastante trabalho, com centenas de nós tentando.

 

“Mil anjos correram para verificar o status do seu arquivo,

 

Mas sabe, Jake, não ouvíamos notícias suas há um bom tempo.

 

"E embora todas as orações sejam respondidas e Deus não tenha cota -

 

Ele não reconheceu sua voz e deu partida em um caminhão em Dakota do Norte.”

 

Nem sempre é fácil reconhecer as bênçãos do Senhor ou Suas respostas, mas nossa fé e o Espírito podem nos ajudar a fazê-lo. Cada um de nós tem sua própria jornada individual a realizar na vida, e nem sempre é um passeio tranquilo. Mas a oração pode torná-lo suportável e nos dá a força para continuarmos em movimento. O Presidente Hinckley gosta de usar uma citação maravilhosa do editor e colunista de jornais Jenkin Lloyd Jones:

 

Qualquer um que imagine que a felicidade é normal vai perder muito tempo correndo por aí gritando que foi roubado.

 

A maioria das tacadas não caem. A maioria das carnes são duras. A maioria das crianças crescem para ser apenas pessoas. A maioria dos casamentos bem-sucedidos exigem um alto grau de tolerância mútua. A maioria dos trabalhos são mais monótonos do que de outra forma. . . .

 

A vida é como uma viagem de trem nos velhos tempos - atrasos, desvios, fumaça, poeira, cinzas e solavancos, intercalados apenas ocasionalmente por belas paisagens e explosões de velocidade emocionantes.

 

O truque é agradecer ao Senhor por deixá-lo andar no trem. [“Big Rock Candy Mountains”, Deseret News, 12 de junho de 1973, A4]

 

Gostaria de acrescentar mais um item de proteção para nos ajudar a frustrar o adversário: cercar-nos de boas pessoas. Lembra-se daqueles jovens especiais, os filhos de Helamã, que foram ensinados por suas mães a ter total fé no Senhor e vieram em auxílio de seu povo na guerra? Nós nunca vamos saber quando teremos uma rachadura em nossa armadura e, quando iremos precisar de jovens guerreiros por lá que irão nos socorrer, que irão nos levantar, que irão nos ajudar a repará-la.

 

Uma das corridas mais famosas que Steve Young fez no 49ers (time de futebol americano de São Francisco, Califórnia) foi no jogo em que ele perdeu o capacete. Ele parou para buscá-lo? Não, ele continuou correndo em campo cheio, deixando-se aberto a ferimentos graves. Steve tinha algumas pequenas rachaduras em sua armadura de futebol. Primeiro, ele não apreciava a sabedoria do slide (posição dentro do jogo onde exige rapidez do jogador), geralmente jogava como um bloqueador - enfrentando jogadores de defesa e tentando nocauteá-los. E às vezes - na verdade, muitas vezes - sua proteção e seu pocket (termo usado para jogada de proteção contra o time adversário, utilizada em situações de passe) estavam quebrados e ele foi esmagado por um atacante de 300 libras (aproximadamente 136 quilos). Felizmente, Steve tinha boas pessoas ao seu redor para ajudá-lo a recuar, ajudá-lo a substituir suas rachaduras, avaliar e emendar seu corpo e a ajudá-lo a tomar decisões sábias - como a de se aposentar. Todos nós precisamos de nossos jovens guerreiros - família, amigos e líderes que têm padrões elevados, que são leais e destemidos em seus desejos justos, que conhecem a verdade e que têm imensa fé. Espero que todos possamos ser guerreiros que lutam pelos outros quando eles descobrem as rachaduras em suas armaduras.

 

Quando vestimos toda a armadura de Deus, é como o jogador de futebol americano que entra no jogo com todo o seu equipamento de proteção. Isso lhe dá autoconfiança e liberdade para jogar com todas as suas habilidades. Tire o capacete ou o amortecedor, e ele ficará hesitante ao jogar e se tornará ineficaz.

 

A luta para nos encontrar é muito real, e é por isso que Deus nos deu essa armadura: para que possamos reconhecer a verdade e entender a nós mesmos, que possamos ter fé por causa do dom da salvação, que possamos alcançar a justiça para nos ajudar a vencer os males da vida. Se não usarmos a armadura que nos foi dada, nós, como os jogadores de futebol americano, ficaremos hesitantes em nossas escolhas e decisões e ficaremos vulneráveis ao adversário.

 

Como instrutor de ensino médio e superior há quase 50 anos, vi essa tendência sendo evidenciada quando colocamos limitações em nós mesmos - mais do que as impostas por outros. Pode ser por medo, falta de autoconfiança ou falta de visão eterna. Fomos colocados aqui na Terra para ter sucesso em todos os interesses que escolhemos. Tenho uma placa no meu escritório que diz: "O sucesso é uma jornada e não um destino". Nós não alcançamos  sucesso e estagnamos. Nós avançamos ou recuamos. O verdadeiro sucesso é medido pelo o que escolhemos fazer em nossas vidas, e não por quantos jardas ganhamos correndo com a bola ou o quão ricos somos ou se temos uma posição de poder. Tais medições não são eternas e podem colocar rachaduras em nossa armadura. Eles sempre têm um efeito negativo na maneira de como percebemos a nós mesmos e nosso valor. O Presidente Hinckley disse: “O curso de nossas vidas não é determinado por grandes e impressionantes decisões. Nossa direção é definida pelas pequenas escolhas do dia-a-dia que mostram o caminho em que percorremos (“Observe as mudanças na sua vida”, A Liahona, janeiro de 1973, p. 91).

 

A armadura de Deus que nos foi dada é muito mais poderosa do que qualquer armadura terrestre. Penso na história de Davi e Golias. Golias não era apenas enorme em estatura, mas estava equipado com todas as armaduras concebíveis até então conhecidas. Davi, no entanto, estava armado apenas com a armadura de Deus e um estilingue. Ele foi ridicularizado por seu oponente.

 

Davi, porém, disse ao filisteu: Tu vens a mim com espada, e com lança, e com escudo; porém eu venho a ti em nome do Senhor dos Exércitos, o Deus dos Exércitos de Israel, a quem afrontaste.

 

Hoje mesmo o Senhor te entregará na minha mão, . . .  e toda a terra saberá que há Deus em Israel. [1 Samuel 17:45–46]

 

Enfrentamos a intimidação de várias maneiras durante a nossa vida. Pode ser o valentão da vizinhança quando criança ou a poderosa corporação, à medida que lutamos para abrir caminho no mundo dos negócios. Pode ser por pressão dos colegas: ser popular é ir junto com a multidão; para realmente mostrar seu amor, você tem que dar tudo de si; para ser competitivo, você precisa tomar esteróides. Pode ser o dinheiro e o poder do nosso vizinho e a nossa falta deles. A armadura de Deus pode nos ajudar a derrubar qualquer intimidador, não importa quais armas ele esteja usando. A armadura de Deus nos dá uma perspectiva eterna, a força da fé, da verdade, da oração e a promessa da salvação. Nunca precisamos ter medo de defender a nós mesmos e a nosso Deus, se estivermos protegidos com Sua armadura.

 

Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas sim contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste mundo, contra as hostes espirituais da maldade nos lugares celestiais.

 

Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau, e havendo feito tudo, ficar firmes. [Efésios 6:12–13]

 

É minha oração que todos coloquemos armadura completa de Deus, que trabalhemos para mantê-la através de boas escolhas, fé, oração, estudo, serviço e confiança no Espírito. Oro para que cada um de nós venha a conhecer verdadeiramente a nós mesmos e nosso potencial aos olhos do Senhor, e que através dessa compreensão encontremos alegria, paz e sucesso em nossas vidas.

 

Foi um grande prazer estar nesta grande universidade, por muitas coisas acontecerem conosco que nunca esperaríamos. Tem sido ótimo, mas as verdadeiras bênçãos que tenho em minha vida sempre foram e sempre serão o testemunho que tenho do evangelho de Jesus Cristo; minha esposa, Patty; e meus filhos. Estes são os meus bens mais importantes. Presto testemunho a vocês em nome de Jesus Cristo. Amém.

Luisa Andreassa
Natalia Machado

This peech has been translated by
Luisa Andreazza & Natalia  Machad